CATARATA

O cristalino é uma lente natural localizada no interior dos olhos, atrás da íris, e, juntamente com a córnea, é responsável pela convergência dos raios de luz para retina, formando a imagem. A perda da transparência desta lente constitui a catarata que impede a formação nítida da imagem na retina.

A catarata é uma condição progressiva que acomete o cristalino. Este inicialmente apresenta-se transparente, evoluindo para a cor amarelada e até marrom ou negra, dependendo do grau de progressão. Estágios avançados levam à cegueira.

 mature_cataract_sm

Causas e Fatores de Risco

O principal fator de risco para o desenvolvimento da catarata é a idade. Qualquer pessoa com mais de 65 anos tem naturalmente um pouco de turvação do cristalino a qual pode ou não levar à baixa significativa da visão.

Os seguintes fatores aceleram o envelhecimento e podem contribuir para o processo de aparecimento da catarata:

·                     Diabetes

·                     istória familiar de catarata que pode significar uma predisposição genética para turvação nos olhos

·                     Trauma ocular prévio

·                     Uso a longo prazo de certos medicamentos como corticóides

·                     Consumo excessivo de álcool

·                     Exposição intensa à luz solar

·                     Exposição a doses altas de radiação, como pode acontecer em aplicações de radioterapia

·                     Tabaco

 

Diagnóstico

O diagnóstico da catarata é feito por um exame de rotina. Recomenda-se um exame a cada 2 a 4 anos em pacientes com idade entre 40 e 65 anos e a cada 1 a 2 anos em indivíduos com idade superior a 65 anos.

 

Sintomas comuns

·                     Baixa gradual e progressiva da visão

·                     Objetos com aparência amarelada, embaçados, borrados ou distorcidos

·                     Visão drasticamente prejudicada à noite ou em condições de baixa luminosidade

·                     Halos ao redor das luzes

·                     Ofuscamento em ambientes claros.

 

Limitações da qualidade de vida devido à catarata

A baixa da visão causada pela catarata normalmente limita as atividades normais dos pacientes, podendo até impedir as atividades profissionais. A perda da independência, a impossibilidade de sair a noite, o risco de acidentes domésticos ou automobilísticos somados à limitação para leitura e televisão, constituem motivos suficientes para a frustração dos indivíduos e falta de interesse pela vida.

Um exame oftalmológico completo determina a possível presença da catarata como também avalia outras estruturas oculares, para considerar a possibilidade de melhora esperada com a cirurgia. Se a doença é diagnosticada, o médico fará as recomendações relativas à realização ou não da cirurgia, com suas vantagens e desvantagens e os resultados esperados..

Há poucos anos, recomendava-se que a catarata deveria estar “madura” para que pudesse ser removida. A técnica cirúrgica utilizada permitia a retirada da catarata madura de forma mais fácil e, infelizmente, os pacientes tinham que conviver com a deterioração da visão por longos períodos, antes de algo ser feito para corrigir o problema. Graças a avanços tecnológicos e a segurança do procedimento, não é mais necessário ou desejável esperar para a cirurgia. Uma vez que a catarata cause diminuição da visão com interferência nas atividades diárias, está indicada a intervenção cirúrgica.

 

Avanços na Cirurgia de Catarata

Dentre todo os campos da medicina, a cirurgia de catarata foi uma das que mais apresentou avanços nos últimos anos. Há cerca de 20 anos, a cirurgia de catarata tinha um período longo para recuperação; os óculos e as lentes de contato necessários após o procedimento eram esteticamente e funcionalmente limitantes pois não se fazia implante de lente intraocular para correção da graduação existente.

Hoje a cirurgia pode ser considerada como um procedimento relativamente simples e seguro, que não necessita de internação. A maioria das pessoas diminui a dependência de óculos e lente de contato.

 

Evolução da Cirurgia de Catarata

Há poucos anos, o método mais aceito para a cirurgia de catarata era a extração intra-capsular do cristalino onde uma incisão de 13 mm era realizada em toda a parte anterior do olho e o cristalino retirado inteiramente como uma uva. Na maioria das vezes, a catarata deveria estar “madura” para facilitar a sua extração. Inicialmente não existia material adequado para sutura e os olhos eram ocluídos, obrigando o paciente a ficar imobilizado na cama por volta de uma semana. Após a cirurgia, o foco da imagem, antes feito pela lente natural, necessitava de óculos ou lentes de contato muito fortes para se formar; além disso, a imagem obtida era muito menor em relação a natural. Mais tarde surgiu a técnica de extração extra-capsular onde se preservava a cápsula do cristalino, onde ele se apóia, e retirava-se do seu interior o núcleo e o cortex. Deve-se salientar ainda a melhora no resultado cirúrgico graças ao desenvolvimento de fios de sutura microscópicos. Com a manutenção do suporte do cristalino (cápsula), foi possível o desenvolvimento de uma lente intra-ocular que substituía a necessidade de correção com óculos ou lentes de contato fortes; diversas complicações que existiam nas cirurgias antigas como descolamento de retina e infecções, diminuíram muito em sua incidência. Entretanto, na técnica de extração extracapsular do cristalino, ainda era feita uma incisão de cerca de 9 mm pois a lente (cristalino) era retirada inteira, necessitando de um número maior de suturas.

 

Cirurgia sem sutura com incisão auto-selante

A presença de suturas, apesar de vantajosa, causava demora na cicatrização com conseqüente retardo da recuperação visual, em torno de 1 mês. Poderia causar ainda mudanças na curvatura da córnea e astigmatismo, tendo que ser retiradas após 40 dias. Novas incisões de cerca de 3 mm foram desenvolvidas, permitindo o fechamento da ferida cirúrgica sem a necessidade de suturas após a cirurgia. A retirada do cristalino passou a ser feita por aspiração após o mesmo ser dissolvido com energia de ultra-som (semelhante à broca de dentista), permitindo que apenas essas pequenas incisões fossem feitas e não necessitassem de pontos. Essa técnica foi denominada de facoemulsificação. Para que não houvesse a necessidade do aumento dessas incisões, lentes intra-oculares dobráveis começaram a ser desenvolvidas e implantadas. Essas lentes são de acrílico, silicone ou hidrogel e possuem diferentes graduações para que o foco aconteça na retina e corrija, o mais próximo do normal, portadores de miopia e hipermetropia.

As vantagens da facoemulsificação são:

·                     Menor tempo de cirurgia

·                     Tempo de recuperação drasticamente reduzido

·                     Indução menor de astigmatismo

·                     Menos desconforto no pós-operatório

.

cataract_surgery_procedure_1

cataract_surgery_procedure_2

cataract_surgery_procedure_3

 

 

 

 

 

cataract_surgery_procedure_4

 

 

 

 

 

Exames pré-operatórios

Para a preparação da cirurgia de catarata, diversos exames são realizados. Eles irão determinar as condições do olho para a cirurgia e planejar o implante da lente intra-ocular.

Além de uma avaliação oftalmológica completa, incluindo medida da acuidade visual, exame de refração (grau do óculos), e biomicroscopia (avaliação do segmento anterior do olho, como córnea e cristalino), são realizados os seguintes exames:

1.         Biometria: Através de cálculos matemáticos e ondas de ultra-som, determina-se o tamanho do olho e a correta graduação da lente a ser implantada, com o objetivo de corrigir ou induzir a um erro de refração pré-estabelecido.

2.         Mapeamento de retina: Avalia as condições da retina para detectar a existência de outras doenças que podem estar causando problemas de visão.

3.         Microscopia especular da córnea: Faz a contagem de células existentes na camada interna da córnea (endotélio). Nos casos em que esta contagem é muito baixa, é possível que ocorra edema de córnea no pós-operatório e até a necessidade de transplante de córnea associado.

4.         Tonometria: Mede a pressão intra-ocular, determinando se existe glaucoma associado. Em alguns casos pode ser necessária a cirurgia combinada de glaucoma.

5.         Avaliação clinica: Dependendo das condições de saúde do paciente, alguns exames podem ser solicitados como por exemplo exame de sangue, eletrocardiograma e avaliação por um clínico.

 

Técnicas de Microcirurgia

Antes da cirurgia são utilizados colírios que fazem a dilatação da pupila para que haja um melhor acesso ao cristalino localizado atrás da íris. Os pacientes podem ser operados sob anestesia tópica (com colírios), injeção de anestésico ao redor do olho ou sob anestesia geral. Normalmente realiza-se uma sedação leve com drogas orais ou injetadas na veia. A escolha da anestesia é feita pelo médico e diversos fatores são levados em conta sendo o mais importante o conforto do paciente. A cirurgia de catarata é uma operação delicada que envolve manipulação das estruturas internas do olho, visualizadas pelo cirurgião através de microscópio. É realizada com campo cirúrgico estéril perfurado e o olho é aberto por um pequeno aparelho que separa as pálpebras. Uma pequena incisão na córnea é obtida com bisturi de aço ou diamante e com uma pinça é retirada a parte anterior da cápsula do cristalino para que seja iniciada a remoção do mesmo. A ponta do aparelho de facoemulsificação que injeta líquidos e produz ultra-som é introduzida no interior do olho através da incisão feita na córnea. O controle pelo cirurgião da quantidade de ultra-som, infusão de líquidos e aspiração, permite que a catarata seja dissolvida e aspirada inteiramente. Realiza-se então o implante da lente intra-ocular com a inserção da mesma dobrada ao meio, que se abre dentro do olho e ocupa o local do cristalino antigo. O olho pode ser ocluído ou não e imediatamente o paciente volta a sua casa, com recuperação da visão em poucos dias.

 

Pós-operatório

No pós-operatório utilizam-se colírios antiinflamatórios e antibióticos por aproximadamente 30 dias. Em alguns casos há necessidade de colírios para dilatar a pupila. A maioria das pessoas pode retomar as suas atividades normais quase logo depois da operação mas é recomendado cuidado até que se acostume com a sua nova visão, evitando dirigir nos primeiros 7 dias ou levantar pesos e abaixar a cabeça.  Os retornos no pós-operatório são importantes para determinar a cicatrização e as condições da cirurgia e devem ser feitos com pelo menos um e trinta dias após a cirurgia.

 

Riscos e Complicações

As principais complicações que podem ocorrem após a cirurgia de catarata são:

1.         Opacidade da cápsula do cristalino antigo onde a lente foi implantada pode ocorrer em cerca de 10 a 20% dos casos, prejudicando a visão em níveis semelhantes ao da catarata ou causando reflexos à noite, ao redor das luzes. O início desta opacidade pode acontecer meses ou até anos depois da cirurgia original. O tratamento é realizado através de aplicações de laser (YAG laser) onde um pequeno orifício é obtido nesta opacidade, restaurando a visão original. Este laser é realizado no próprio consultório do médico e as atividades normais podem ser retomadas imediatamente após. É comum observar alguns fragmentos de cápsula nas primeiras semanas após a cirurgia e os mesmos são absorvidos pelo organismo.

2.         Infecção: Como toda cirurgia, o risco de infecção existe. São utilizados antibióticos profiláticos no intra e no pós-operatório. O risco é baixo, podendo ocorrer um caso em cada 1000 a 2000 pacientes operados. Pode estar relacionado também a falta de cuidado no pós-operatório.

3.         Edema de córnea: O excesso de líquido na córnea no pós-operatório imediato é comum e corresponde a manipulação cirúrgica no interior do olho. Pode prejudicar a visão nos primeiros dias, mas normalmente é transitório.

4.         Aumento da pressão intra-ocular: Alguns medicamentos utilizados na cirurgia podem causar aumento transitório da pressão ocular, dificultando a drenagem do humor aquoso. Dor ao redor dos olhos pode estar presente causando náuseas e vômitos. Alguns medicamentos ou colirios podem ser necessários para controlar a pressão neste período pós-operatório.

5.         Descolamento de retina: É mais freqüente nos indivíduos com miopia alta devido ao tamanho aumentado do globo ocular.

 

Os benefícios da cirurgia de catarata moderna são muitos. Possibilita uma restauração quase milagrosa da visao. É um dos poucos procedimentos médicos que podem voltar literalmente as mãos do tempo, pois muitos pacientes alcançam visao comparável com a que eles tinham em sua mocidade.

 
 
  Site Map